FAMEM pede que prefeitos contratem escritório de preso na Lava Jato

0
258

Sob comando da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (FAMEM), a trupe pedetista encabeçada pelo prefeito Erlânio Xavier, disse a que veio ao emitir uma Recomendação nada republicana no último dia 25 de abril.
Por meio da recomendação nª 27/2019, a federação pede que todos os prefeitos associados contratem, por meio de inexigibilidade de licitação, o escritório de advocacia Aragão e Tomaz Advogados Associados, de propriedade do ex-advogado da JBS, Willer Tomaz de Souza, preso na Operação Patmos, no âmbito da Lava Jato.
Assinada pelo coordenador jurídico da FAMEM, advogado Guilherme Antônio, a recomendação visa a condenação da União Federal ao correto repasse dos valores devidos ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM).
Para indicação do escritório, a federação considerou que a maioria dos municípios maranhenses não possuem corpo jurídico próprio para propor uma ação judicial objetivando o correto repasse.

Ainda de acordo com suas considerações, a entidade diz que houve uma realização prévia de pesquisa acerca de escritórios de advogacia que preenchessem os requisitos legais exigidos para contratação dos serviços, e que, entre os consultados, o de Willer Tomaz foi o único que manifestou interesse na contratação.
PRISÃO DE WILLER TOMAZ

O ex-advogado do grupo JBS foi preso no dia 18 de maio de 2017 em um hotel de luxo localizado na Ponta da Areia, em São Luís.
Willer foi um dos alvos da Operação Patmos, que prendeu também o ex-senador Aécio Neves e sua irmã, Andrea Neves.
A operação se deu após delação bomba feita pelo dono do grupo JBS, Joesley Batista,

 

VIA Maldine Vieira

Maldine Vieira

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui