Depois de 100 mil mortes por Covid-19, ministro interino da Saúde diz apoiar ‘medidas de afastamento social’

0
14

O ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, disse nessa última segunda-feira (10) que o governo apoia o isolamento social — divergindo do próprio discurso e das ações da Presidência da República.

Em evento de inauguração de uma unidade de processamento de testes da Covid-19 na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, ele também defendeu a necessidade de tratamento precoce para impedir o aumento de mortes na pandemia.

“Medidas preventivas e afastamento social são medidas de gestão dos municípios e estados, e nós apoiamos todas elas, porque quem sabe o que é necessário naquele momento precisa de apoio, e nós apoiamos”, declarou Pazuello.

“Mas fica a lembrança de que, independentemente da medida que se tome, tem que estar aliada à capacidade de triar e procurar se as pessoas estão ou não com sintomas, o tempo todo”, emendou.

A declaração contraria a postura do próprio general desde que assumiu interinamente o Ministério da Saúde. Em maio, ele foi alertado por um comitê técnico da pasta que, sem isolamento social efetivo, o país poderia levar até dois anos anos para controlar a pandemia. Mas, ao contrário do alerta, o ministro interino orientou a reabertura das atividades econômicas, quando o país já tinha mais de um milhão de casos da doença.

Também em maio, o presidente Jair Bolsonaro defendeu a manutenção dessas atividades. “O governo federal, se depender de nós, estava tudo aberto com isolamento vertical e ponto final”, afirmou Bolsonaro.